Poli Saúde Laboratório Policlínica
NOTÍCIA

13/03/2012
Integrantes da Copott/Cascavel visitam a Policlínica

Dois enfermeiros da Comissão à Procura de Órgãos e Tecidos para Transplantes (COPOTT) de Cascavel - que abrange as regionais de saúde do Oeste e Sudoeste do Paraná - estiveram em Pato Branco nesta terça-feira (6). Elvis Rocha e Elton José Munchen reuniram-se com membros da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) da Policlínica Pato Branco. Na pauta, a apresentação do novo manual para as CIHDOTTs, elaborado pelo governo do Estado, e a apresentação dos resultados de 2011. A Policlínica aparece como a que mais realizou transplantes renais de doadores vítimas de morte encefálica (14, enquanto que Curitiba registrou dez) e em segundo lugar no Estado em número de transplantes cardíacos com doadores que apresentaram morte encefálica (três, atrás apenas da Santa Casa de Curitiba, com oito).
De acordo com Elvis Rocha, os números registrados no ano passado colocaram a COPOTT de Cascavel na liderança estadual em captação de órgãos. A comissão que reúne as regionais de saúde de Cascavel, Toledo, Foz do Iguaçu, Pato Branco e Francisco Beltrão teve índice de 17,37 por milhão de habitantes. A COPOTT de Curitiba ficou em segundo lugar, com 10,4 por milhão de habitantes.
A Policlínica Pato Branco participou do aumento no número de transplantes de rim e de coração. Segundo dados apresentados pelo enfermeiro Elton Munchen, houve aumento de 40,4% nos transplantes renais (130 em 2011, 76 em 2010) e de 57,1% nos transplantes cardíacos (15 em 2011, contra dez em 2010). Vale lembrar que foram transplantes com doadores falecidos.
Para a enfermeira Sabrina Rigon, coordenadora da UTI Adulto e vice-presidente da CIHDOTT da Policlínica, o encontro com os profissionais da COPOTT de Cascavel serviu para estreitar as relações com a COPOTT. "Também tivemos a oportunidade de conhecer o novo manual, com a padronização de processos que darão mais agilidade à captação de órgãos e tecidos", analisa Sabrina. Já a enfermeira Rejane Ecker, coordenadora do Centro Cirúrgico da Policlínica, ressalta que os dados apresentados no encontro demonstram que a CIHDOTT do hospital está no caminho certo e contribuindo para reduzir as filas para transplantes.